PUBLICIDADE

Editorial

Quem vai pagar esta conta

Nesta edição o Jornal A Plateia conta um pouco do lado dos comerciantes da BR. A situação se complica. Está cada vez mais difícil achar o meio termo e o que poderia ser resolvido entre conversa, se tornou uma batalha judicial. Enquanto moradores buscam paz e tranquilidade, comerciantes buscam pagar suas contas e lucrar, como em qualquer outra atividade. O que faltaria para equilibrar esta balança?

Comerciantes alegam que a desordem e bagunça independe dos plantões e pedem mais fiscalização da Brigada Militar e dos agentes de trânsito, além de mais iluminação e monitoramento. Coincidentemente, estes pontos também são parte dos pedidos dos moradores. A pergunta é: por que não se tomaram medidas administrativas como estas que foram sugeridas antes de uma decisão de proibição?

Será que não valeria a pena tentar iluminar mais a BR? Será que não se poderia trocar a escala de agentes de trânsito para intervalos à noite? Ao contrário de todos trabalharem durante o dia? A proibição agradou os moradores, claro, o silêncio foi posto em consequência, mas, por outro lado, com menos de um mês da medida, os comerciantes já listam prejuízos e demissões de funcionários.

A questão lida com direitos diversos e é preciso ter em conta que uma decisão judicial não irá mudar costumes e culturas de uma comunidade de uma hora para outra. A diversão da fronteira que sempre acontece a partir da meia noite pode até ser antecipada, mas isto levará tempo e, até lá, alguém vai ficar feliz e outros vão amargar o prejuízo. Há sempre o que se pensar.

Por: Administrador - 16/12/2017 às 0:00

 

Deixe seu comentário