PUBLICIDADE

Rural

Rumos da Bacia Leiteira: Pequena propriedade e seu potencial produtivo

A produtora rural Márcia Rejane Oliveira, trabalha há mais de 10 anos na produção leiteira e diz que apesar das dificuldades enfrentadas no setor como alto custo nos insumos e preço final abaixo do esperado continua produzindo. Com a ajuda de sua mãe, Márcia diz que produz mensalmente cerca de 4 mil litros de leites já comercializados com a Cooperforte. “Às vezes mais, as vezes menos, varia dependendo da época. Hoje na ordenha nós trabalhamos com 15 vacas que dão em média 15 litros por dia. E apesar das dificuldades estamos trabalhando bem. 

Emater sempre presente

A Zootecnista do escritório local da Emater, Liziane da Silva, destaca que o seminário serve também para aproximar todos os envolvidos na cadeia produtiva do leite o que gera um grande impacto positivo na produção. “A nossa função aqui é auxiliar os produtores em suas necessidades e tentar de alguma forma dentro da APL (Arranjo Produtidov do Local) fazer alguns eventos para contribuir com essa atividade no município.” disse   

Manejo de campo nativo 

Fábio Eduardo Schlick assistente técnico do escritório regional da Emater, esteve falando aos participantes sobre manejo correto do campo nativo e aproveitamento do pasto nativo em períodos de estiagem. “Nós falamos aqui sobre alternativa para os produtores dentro de um quadro de crise e uma das alternativas que a gente coloca é o conhecimento e atualização do recurso do campo nativo que possui um alto potencial de produção com boas condições de uso e que é mal aproveitado na atividade leiteira. Principalmente neste período que nós não temos pastagens de inverno e nem de verão, mantendo um bom potencial de produção com custo baixo” comenta. O seminário encerrou por volta das 16h:30. 

Por: Matias Moura - matiasmopura@jornalaplateia.com - 25/11/2017 às 0:00

 

Deixe seu comentário