PUBLICIDADE

Exército

EXÉRCITO: Celebração à Bandeira

O domingo (19) foi marcado pela solenidade de celebração do Dia da Bandeira. O ato foi realizado no final da manhã no 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado – Regimento Brigadeiro Vasco Alves Pereira – e pela 2ª Bateria de Artilharia Antiaérea.
O Dia da Bandeira começou a ser comemorado no Brasil após a Proclamação da República, no ano de 1889. Com o fim do período Imperial, a bandeira que representava o império foi substituída. A celebração visa incentivar o culto ao civismo e valores pátrios.
Durante a solenidade cívico-militar fizeram-se presentes autoridades civis e militares. Na ocasião, foram entregues medalhas para integrantes das instituições militares.
Em sua fala, o comandante da Guarnição Federal, Coronel Coronel Carlos Alexandre, falou da importância da data para os civis e, especialmente, para os militares que participaram da solenidade.
“Jamais se envergonhem de serem os primeiros a prestarem o respeito devido à bandeira do nosso país. O mesmo compromisso eu reforço com todos nós, militares, especificamente aqueles temporários que, no seu retorno à vida civil, sejam também o ponto de onde vai se irradiar o respeito ao nosso símbolo. Cada vez mais pode se verificar que a bandeira do nosso país é confundida com a bandeira de uma equipe de futebol, de vôlei, e que, se o time vai bem, a bandeira é ostentada com uma alegria. E, se o time vai mal, essa mesma bandeira é ultrajada, desrespeitada. Ela simboliza o nosso país, que se construiu com o sangue e o suor de negros, índios, brancos imigrantes, que vieram para cá ajudar aqueles que já estavam a escrever a nossa história, um país que se construiu na luta pela independência”, frisou o comandante.
Durante a cerimônia, foi lida a Ordem do Dia do Exmo Sr General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, Comandante do Exército. Em suas palavras, o Gen Villas Bôas lembrou que: “A Força Terrestre mantém o sagrado Pavilhão sempre vitorioso, seja com o Braço Forte, defendendo nossa honra nacional, independência e soberania, nos conflitos armados e nas operações de garantia da Lei e da Ordem, seja com a Mão Amiga, estendida por meio de diversas atividades que desempenha, cotidianamente, nos mais distantes rincões de nosso País e nas Missões de Paz, no exterior, como na recém- concluída Missão de Paz no Haiti, que, após 13 anos de apoio Verde-Oliva, permitiu que aquele Estado construísse um governo democrático estável, capaz de perseguir seu desenvolvimento nacional”.

Por: redacao@jornalaplateia.com - 21/11/2017 às 0:00

 

Deixe seu comentário