Jornal A Plateia - Livramento/RS. Notícia - Sistema de bilhetagem eletrônica divide as opiniões dos vereadores

Pesquisar

 

Política

Política

Sistema de bilhetagem eletrônica divide as opiniões dos vereadores

O projeto encaminhado pelo Executivo Municipal ainda tramita na Casa, mas já foi discutido em mais de uma oportunidade no plenário João Goulart

O tema é polêmico: há alguns dias foi protocolado na Câmara de Vereadores de Sant’Ana do Livramento o projeto de lei de autoria do Poder Executivo Municipal, que institui o sistema de bilhetagem eletrônica no transporte coletivo urbano de passageiros do Município. Com a novidade, as passagens seriam pagas de forma eletrônica, utilizando dispositivos especiais, como o cartão inteligente ou similar.
Na matéria enviada pela Administração, a chefia do Executivo embasou a implementação da tecnologia pois, segundo eles, traz vantagens do uso na gestão do transporte, tanto para a empresa privada, que faz a operação do sistema, quanto ao poder público, que é responsável pela gestão e fiscalização das concessões. “Se revela importante, como integração temporal e tarifária, melhor fiscalização dos usuários, maior controle das operações”, diz o documento.
O projeto já sofreu duas emendas que ainda precisam de aprovação, uma delas é do vereador Aquiles Pires (PT). O parlamentar e toda a bancada petista é contra o PL, pois há um receio de que o serviço prestado pelos cobradores seja extinto, sobrecarregando o trabalho dos motoristas, que possivelmente farão a cobrança quando o passageiro não tiver o cartão para fazer o pagamento através da máquina da bilhetagem eletrônica.
“Nós somos contra o projeto pois achamos que ele  vai extinguir a função do cobrador. Talvez não seja no total, mas vai diminuir o número de vagas, isso pode ser que não aconteça de imediato, mas é o primeiro passo. Em outras cidades já existe o transporte coletivo só com o motorista, exercendo a função do cobrador. Para nos garantirmos que isso não aconteça, fizemos uma emenda para que fique proibido que as empresas mantenham um ônibus circulando sem cobradores, com um passageiro”, disse Aquiles.
O parlamentar garantiu que não é contra o projeto, mas contra ao que pode suceder com a extinção de vagas de emprego, mas ressaltou também que já há uma decisão judicial, em outro Município, em que o motorista que faz a função de cobrador, coloca a vida dos passageiros em risco.
Em entrevista ao jornal A Plateia o vereador Carlos Nilo (PP) disse ser a favor do projeto. “A gente já viu acontecendo em outros Municípios como Porto Alegre, por exemplo. Se a gente vai andar de ônibus lá, se paga ao cobrador. Existe algumas posições aqui na Casa que são contrárias, justificando a perda de empregos, mas eu não visualizo isso. Eu vejo um projeto que se adapta às mudanças do tempo, evitando algumas fraudes como, por exemplo, das fichas nos ônibus do transporte municipal”, finalizou.
Em outras cidades, como na capital, a bilhetagem eletrônica está mais à frente. Em Porto Alegre, por exemplo, o sistema de transporte público já começou a testar o reconhecimento facial na bilhetagem eletrônica.

Por: Rodrigo Evaldt - rodrigo@jornalaplateia.com - 11/10/2017 às 9:48

 

Deixe seu comentário

Pesquisar