Jornal A Plateia - Livramento/RS. Notícia - Dois disparos do míssel Igla-S: um deles foi da 2ª Bia AAAé

Pesquisar

 

Exército

Exército

Dois disparos do míssel Igla-S: um deles foi da 2ª Bia AAAé

Comandante Militar do Sudeste (CMSE), General de Exército João Camilo Pires de Campos, esteve presente em Formosa

De 9 a 22 de agosto, a 2ª Bateria de Artilharia Antiaérea (2ª BiaAAAé) esteve mobilizada em razão de participação na Escola de Fogo de Instrução, que teve sua última etapa realizada no dia 16 de agosto, no Campo de Instrução de Formosa, em Goiás, a 70km da capital federal Brasília.
A 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea (1ª Bda AAAe) coordenou o exercício, que teve como um dos principais objetivos a manutenção do alto nível de adestramento dos militares e guarnições. O exercício contou com a participação de todas as organizações militares voltadas para essa missão específica, com seus Grupos e sete Baterias de Artilharia Antiaérea, do recém-criado Batalhão de Manutenção e Suprimento de Artilharia Antiaérea (sediado em Osasco/SP), bem como do estabelecimento de ensino responsável pela formação dessa tropa especializada, a Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea. Os disparos foram efetuados contra alvos aéreos desenvolvidos pelo 3º Grupo de Artilharia Antiaérea, visando à otimização do treinamento e à racionalização de custos.

Foram dois disparos do míssel Igla-S, sendo um deles realizado por grupamento da 2ª BiaAAAé, especificamente disparado pelo Sargento Oliveira, conforme o Major Daniel Rodrigues Lobo Vianna, comandante da 2ª Bia AAAé. “Esse é o exercício mais importante da Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro e é com muito orgulho e muita satisfação que a 2ª Bateria se fez presente, até mesmo se destacando no exercício, com o disparo do míssel portátil Igla. O míssel Igla é uma dotação de alguns quarteis de artilharia antiaérea do Brasil, entre os quais a Segunda Bateria, e é um disparo bastante oneroso e bastante técnico. Para se ter uma noção, nesse exercício em Formosa só houve dois disparos. Um deles foi executado pelo Sargento Oliveira, aqui da Bateria. Um disparo tecnicamente perfeito.”, revela o Comandante.

Lobo Vianna está satisfeito com a participação da Bateria no exercício: “ganha-se muito com o aprendizado, não somente na parte técnica do míssel Igla, mas também os militares da Bateria que foram para o exercício tiveram a oportunidade de verificar todo o material de artilharia antiaérea empregado no Brasil. É um ganho profissional muito grande para a Segunda Bateria participar e nesse caso até se destacar em uma atividade como essa”, afirma.
Durante a Escola de Fogo de Instrução, foram executados tiros com os canhões de 40 mm BOFORS, da Viatura Blindada de Combate Antiaérea com canhões de 35 mm GEPARD, além dos mísseis portáteis RBS 70 e IGLA-S.

Por: Marcel Neves - marcelneves@jornalaplateia.com - 25/08/2017 às 10:12

 

Deixe seu comentário

Pesquisar