PUBLICIDADE

Editorial

Manifestações pífias X 40 milhões

Sindicalistas contabilizaram em todo o país a participação de mais de 40 milhões de pessoas nos protestos destas sexta-feira (28). O número pode ser considerado pequeno, mas a sua representação é significativa. Muitos trabalhadores declararam também que gostariam de ter feito parte do protesto, mas, impedidos pelo próprio ofício, se viram arraigados nas funções de rotina.
Em contrapartida, o ministro da Justiça garantiu que o governo estava estruturado e preparado para as manifestações. Detalhou que as instituições funcionaram, o país funcionou normalmente e as polícias Federal, Rodoviárias e Militares tomaram as providências quando foi necessário, segundo declaração para o Portal G1.
Serraglio pontuou ainda que a população entende as necessidades das reformas, uma vez que o governo está pendido sacríficios por estar em dificuldade econômica. “A população sabe que precisamos tomar um remédio amargo para uma doença triste. É difícil, mas é necessário”, concluiu. 
A questão é que apenas o povo tem feito sacrifícios. Nesta sexta mesmo, mais revelações foram feitas, além da divulgação de mais um novo recorde de desemprego no país. Nos três primeiros meses de 2017, três órgãos públicos não obedeceram o teto que limita o crescimento das despesas, impedindo descontrole: a Câmara dos Deputados, o Tribunal de Contas da União e a Defensoria Pública, que terão até o fim do ano para se enquadrar. É mais algo do tipo: façam o que eu digo, mas não façam o que eu faço.
E caro senhor ministro, entre desemprego, fome, miséria e sacrifícios, deixe pelo menos o povo protestar em paz, e pífia é a sua declaração sobre a manifestação mais clara e verdadeira da vontade de uma nação, e mais rigorosa e atenta deveria ser sua postura com relação àqueles  que não puderam sair nas ruas nesta sexta. A sua indiferença é que choca o povo.

Por: - 29/04/2017 às 10:32

 

Deixe seu comentário