PUBLICIDADE

Especial

Conhecimento e opção turística no mesmo local

Educação e tour são boas opções para quem deseja conhecer animais e desfrutar do ambiente natural

Ele se aposentou do trabalho, ela queria uma vida mais tranquila. Assim começa a história do Mi Zoo, um mini-zoológico que se consolida como uma atração educativa e turística, recebendo visitantes principalmente na parte da tarde.
No fundo da Escola Agrária de Rivera, em uma propriedade que estava praticamente abandonada quando o casal Raquel Martinez e Neber Lisboa morava no centro de Rivera foi concebido o Mi Zoo.

Com muito trabalho e investimento, desde o ano 2000 constituíram um refúgio ecológico e abrigo para os mais diversos e diferentes animais. O casal riverense confirma que não tem apoio financeiro de nenhuma organização governamental e reconhece que é necessário aumentar as receitas para poder dar conta da alimentação e cuidados diários dos animais, bem como do funcionamento da estrutura no complexo.
Sociedade civil sem finalidade lucrativa, o Mi Zoo, na prática, é uma mini reserva de conhecimento, sensação de aventura para as crianças e adolescentes, educação para escolares, assim como distração, lazer e entretenimento para todos. Isso, sem falar no refúgio natural que permite uma convivência com o meio ambiente. Aranhas, entre as quais uma caranguejeira, uma cobra piton, coelhos, uma cobra do milho, capinchos, pássaros, gansos, pônei, macacos, coati, patos, um pavão real, araras, papagaios, entre outros animais. São mais de 80 espécies e 500 animais, conforme ressalta Raquel.
Há uma arara (macho) com mais de 80 anos de idade, uma macaca com mais de 40 anos, entre várias outras espécies.
Oficialmente, em novembro de 2007 Mi Zoo se constituiu como sociedade sem fins lucrativos, mas é de se convir que alimentar uma infinidade de animais com dietas diferentes é difícil.

A organização riverense cobra 50 pesos uruguaiospor pessoa dos visitantes (cerca de R$ 5,50, conforme a cotação do dia). É com esse recurso que integraliza para tentar arcar com todos os custos, seja das jaulas, colaboradores e alimentação.

Durante a visita da equipe de reportagem do Grupo A Plateia foi possível constatar a rotina de limpeza diária dos locais dos animais, bem como providências para alimentá-los e, mais do que isso, o carinho que o casal devota aos diversos animais.
Para chegar até o Mi Zoo, o trajeto não é difícil. Segue-se pela avenida Guido Machado Brum (onde há uma placa com a inscrição Zoo a 500 metros), que vai até o trevo entre a Ruta 5 e a Ruta 27.

Bem no trevo está La Virgencita. O bairro é conhecido como “Barrio La Virgencita”.  Ao sair da rodovia Ruta 5, o cidadão deve se dirigir à rua Sergio Martinez Camargo ( Chacras) 2663,  entre María Luisa Larena y Tres Árboles nos fundos da Escola Agrária.
E são muitas as boas histórias que Raquel e seu esposo contam, ao recepcionarem os visitantes.

Tartarugas, zorro, lebres patagônicas, jacarés, veados, faisões e mais recentemente um gavião pampeano teve problema com uma das asas e foi acolhido no Mi Zoo. Eis uma outra questão importante: atendimento médico veterinário, algo que é fundamental para o cotidiano da organização.
Além de receber, em algumas situações muito específicas, animais que estão em risco, os quais são levados por pessoas que têm as devidas autorizações legais para criatório de animais silvestres - e em determinado momento acabam sofrendo algum tipo de problema que as impeça de cuidar.  Aliando o social, o educativo, o ambiental e buscando parcerias para dar condições de sustentar toda a estrutura e, principalmente, os animais, o casal Raquel e Neber continua sua saga que se traduz em pura dedicação.

Serviço
Mi Zoo - Telefones 598 4623 2959 / 099 10 3333
Facebook: Raquel Martinez.
Instituições de educação do Brasil ou do Uruguai devem agendar previamente a visita de segunda a sexta
Abertura ao público: aos sábados, domingos e feriados a partir das 14h.
Ingressos
Adultos e crianças
$ 50,00 (pesos uruguaios) individualmente

Por: Henrique Bachio - henriquebachio@jornalaplateia.com - 18/02/2017 às 10:25

 

Deixe seu comentário