PUBLICIDADE

Geral

Frota renovada

Empresa Ansus apresenta dois novos caminhões e contêineres para o serviço de coleta de lixo no Município

A partir de uma nova licitação para os serviços de coleta de lixo, a empresa Ansus Serviço Ltda renovou seus serviços em Sant’Ana do Livramento. O resultado da empresa vencedora do processo foi divulgado ainda durante o governo de Glauber Lima, no dia 30 de dezembro. Com o novo contrato, a empresa promete modernização da frota e melhorias nos serviços de coleta, transbordo e transporte com destinação de resíduos sólidos domésticos, contando com o apoio e iniciativas do Município.
Na manhã de ontem (11), dois novos caminhões para a coleta de lixo foram apresentados ao Prefeito Ico Charopen e à vice-prefeita Mari Machado, em frente ao Palácio Moysés Vianna. Até o fim do mês, mais dois novos e modernos caminhões deverão realizar a coleta de lixo na cidade, substituindo os três caminhões que realizam a coleta atualmente e deixando um deles, como reserva. Com capacidade para armazenar sete toneladas de lixo e equipado com ar-condicionado, câmera de ré e câmbio automático, os veículos disponibilizam mais comodidade e agilidade para o serviço.
Além disso, a empresa firmou o compromisso de entregar 50 contêineres ao Município. Durante a tarde, três deles foram entregues ao prefeito Ico, à vice-prefeita Mari e ao secretário municipal de Serviços Urbanos, Ricardo Dutra. Os três contêineres ficarão instalados na Praça General Osório e os demais deverão serão entregues até o próximo dia 30.

Serviço terceirizado

De acordo com o prefeito, Ico Charopen, a renovação com a Ansus no Município é um trabalho continuado do governo anterior que terá seu contrato honrado pela atual administração. Sobre os valores da licitação, Ico disse serem consideráveis, mas afirmou que é um serviço de boa qualidade e que não traz problemas à cidade. “Não temos, hoje, pela situação econômica do município, dinheiro para comprar caminhões e nem fazer concurso público, porque estamos com o limite da folha salarial e já fizemos um decreto de contenção de despesas. Nesse momento é o que nós temos”, explicou.

Sobre a possibilidade de o Município gerir a coleta de lixo, sem a necessidade de contratar uma empresa terceirizada, o prefeito afirmou que é preciso ter uma visão mais profissional na atividade pública. “Já fizeram esse serviço por vários anos e não dava certo. A frota era sucateada, fazia-se concurso e em seguida vários concursados já estavam com desvio de função ou problemas de saúde”, disse.

Coleta seletiva

Conforme informou Ico, o próximo passo em relação à coleta de lixo é o desenvolvimento da coleta seletiva que, inclusive, diminuiria os custos do lixo visto que o preço pago é sobre a tonelagem. “Já está com a Secretaria Geral de Governo o estudo para sua implantação e existe também um projeto da Unipampa com a Cooperativa de Catadores para começar um trabalho de coleta seletiva na cidade”, ressaltou.

Os 50 contêineres de lixo que chegarão ao Município serão distribuídos, em um primeiro momento, na região central, de acordo com o prefeito. “É o lugar que já estamos revitalizando e começou com a limpeza da praça. Depois vamos passar para outros espaços e fazer a distribuição, até para resolver o problema do lixo na cidade, já que muitas pessoas não têm nem mesmo onde colocar”, explicou.

A atuação da empresa e os custos para o Município

Com o novo contrato – em vigor até dezembro de 2020 - o Executivo irá arcar com o custo mensal de R$ 568.566,37, chegando a R$ 6.822.796,44 anualmente. De acordo com o diretor da Ansus, Elton Tomazzetti, o valor corresponde ao mesmo do contrato anterior. “Não houve nenhuma alteração além da correção do período”, explicou o diretor. Conforme o contrato, o Município possui uma estimativa de coleta de 1.433,03 toneladas de lixo por mês, alcançando a marca de 17.196,36 toneladas ao ano. Atualmente, a empresa que tem sua sede em Santa Maria, atende mais cidades da região, como Dom Pedrito e São Gabriel. Em Sant’Ana do Livramento, a Ansus emprega sete motoristas e vinte e um coletores. Com um grande número de funcionários, a Ansus Sant’Ana do Livramento conta com a única mulher que atua como motorista.

Paixão por caminhões

Desde os 21 anos de idade, Luciana Lucas Rodrigues, hoje com 40, trabalha dirigindo caminhões. Filha e irmã de caminhoneiro, é a única motorista mulher da empresa Ansus e, por isso, segundo ela, chama a atenção da comunidade por onde passa. “O gerente me deu uma oportunidade e consigo mostrar meu trabalho como sendo a primeira mulher. Fora daqui já ouvi algumas brincadeiras, mas nem por isso abandonei”, disse.

Luciana vai completar um ano de trabalho na empresa no próximo dia 20, mas já teve experiência em empresas de transporte intermunicipal e escolar e com caminhão boiadeiro. Ela acredita que, no Município, possui apenas uma companheira de profissão. “Não é só um trabalho, eu me divirto vendo as pessoas e já vou quebrando um tabu. Amo o que eu faço, tem que amar”, afirmou.

O que dizem os moradores sobre a coleta de lixo na cidade

Entre os populares, as opiniões sobre o serviço de coleta de lixo na cidade variam. Para o produtor rural Anderson Vargas, o fato de os coletores não retirarem todos os tipos de resíduos torna-se um ponto negativo na coleta. “O problema é que eles classificam, e eles deviam levar todo o lixo. Porque pneus eles não tiram, e o pessoal atira nas ruas”, comenta.

Outro fator abordado pelas pessoas é a prestação deste tipo de serviço por uma empresa contratada, e não pelo próprio Poder Executivo. “A Prefeitura tinha que fazer a coleta como era antigamente. Como os outros prefeitos faziam e agora esses novos não querem?”, questionou o corretor e produtor rural, Zoilo Repetto.
Moradores do bairro Planalto, o funcionário público aposentado Jair Vargas e a dona de casa Aurea Beatriz não concordam com os métodos de recolhimento do lixo na cidade. “A maioria das casas têm lixeira e eles retiram da lixeira, colocam amontados nas esquinas e ficam resíduos de lixo espalhados. E depois eles não juntam, muitas vezes na frente na nossa casa eu tenho que ficar juntando o lixo. Eu pago taxa de lixo pra quê?”, questiona o aposentado. Segundo a dona de casa, já foram encaminhadas reclamações formais à Secretaria de Serviços Urbanos quanto a este tipo de ação. “Não gostei da terceirização, não sei por que tiraram do município”, complementa.

No entanto, há quem elogie os serviços prestados pela empresa, como é o caso do aposentado Gilberto Santos. “Para mim está muito bom, no momento não tenho queixas”, comenta. Segundo ele, a implantação da coleta seletiva no Município traria melhorias. “Seria bom, inclusive eu já separo o lixo para os catadores”, disse. O aposentado defende ainda a colocação dos contêineres na região central da cidade.

 

 

Por: Daniela Huberty - daniela@jornalaplateia.com | Jéssica Ribeiro - jessica@jornalaplateia.com - 12/01/2017 às 9:08

 

Deixe seu comentário