PUBLICIDADE

Polêmica

Ex-procurador do Governo Glauber assina cheque para se pagar como diretor da Santa Casa

Virlei Becker, também, ex-presidente do Conselho Gestor da Santa Casa, assinou o próprio cheque de quase 9 mil reais antes de ir embora, no último dia útil do ano

Na tarde de ontem, o prefeito Ico Charopen divulgou, em entrevista ao Jornal A PLATEIA, que o ex-presidente do conselho gestor e ex-diretor administrativo da Santa de Misericórdia, Virlei Becker, ao encerrar as suas atividades em 2016, assinou um cheque no valor de quase 9 mil reais para si mesmo referente ao valor contratual de uma rescisão contratual. Na cópia do cheque, apresentada pelo prefeito, está o valor de 8.257.45 
O cheque foi emitido no dia 30 de dezembro, referente ao pagamento da última parcela da rescisão, quando exerceu o cargo remunerado de diretor -administrativo da Santa Casa no período de novembro de 2015 a julho de 2016.

O prefeito Ico Charopen assumiu, nesta semana, a presidência do Conselho Gestor do hospital e foi informado da situação desse cheque sem fundo, que foi sustado imediatamente pelo mandatário. Ele disse ainda que a conduta do antigo gestor foi totalmente desleal com os trabalhadores da Santa Casa, que estão acampados em frente ao hospital com salários atrasados. “O ex-presidente do conselho gestor foi também administrador do hospital Santa Casa e existia ainda uma parte da sua rescisão de contrato e ele veio aqui, no último dia 30, e fez a servidora fazer uma cheque sem cobertura financeira, sem fundo né, se o hospital não tem nada em caixa . Mesmo assim, ele recebeu o cheque e levou. Então, esta servidora me comunicou e tomei a decisão de sustar este cheque. Estou abrindo uma sindicância por este caso ser grave . Tu vês a falta de responsabilidade deste gestor até com os colegas dele que estão aí na frente sem receber e estão com o décimo atrasado, juntamente com os seus salários“, disse o prefeito.

Segundo informações do setor financeiro, no período em que Becker esteve na Santa Casa ele  exercia duas funções dentro do hospital, a de presidente do conselho gestor, sendo que ele não era remunerado para tal cargo, e a de diretor administrativo, da qual o pagamento do cheque é referente. Segundo o que foi informado ainda pelo setor financeiro do hospital, quando Becker deixou de ser diretor administrativo foi feita uma rescisão contratual como é feita no caso de  qualquer trabalhador no fim de um contrato. Como não havia uma ação judicial foi feito um acordo entre a empresa e o empregado para que o valor fosse quitado em parcelas. O cheque emitido no último dia útil de 2016 seria, então, o pagamento da parcela final desse contrato. 

Diálogo com o sindicato e os trabalhadores

Ainda na tarde de ontem, por volta das 18 horas, aconteceu uma reunião na Santa Casa entre o prefeito e representantes dos funcionários e do Sindisaúde. Durante a conversa com o presidente do sindicato, Silvio Madruga, o prefeito expos a sua intenção em dialogar com os trabalhadores para, assim, buscar uma solução para o problema. Nenhuma proposta concreta foi apresentada para dar fim ao movimento grevista que dura há mais de um mês. Mas, ficou decidido, segundo o prefeito, que este foi o primeiro passo, agora é trabalhar para, desta forma, montar uma proposta que possa levantar a greve. “Nós vamos continuar dialogando com todos, tivemos uma reunião com os médicos que foi muito produtiva, eles ficaram muito surpresos porque foi a primeira vez que isso aconteceu aqui na Santa Casa. Dentro dos próximos dias, nós estaremos elaborando uma proposta para ser apresentada aos trabalhadores e esperamos em breve solucionar esta situação.  Nós temos que sanar o maior problema do hospital hoje, que é construindo uma alternativa de recuperação para a  Santa Casa“, afirmou Ico .

Já o presidente do SindiSaúde, Silvio Madruga , disse também estar aberto ao diálogo, agradeceu a compreensão do novo prefeito, mas disse que a greve só será “levantada” se houver uma proposta concreta. “A atitude do Ico é louvável em buscar esta aproximação e abriu um diálogo desde o seu primeiro dia de trabalho, mas agora a greve será levantada somente com uma proposta que venha colocar os salários em dia“, disse .
Virlei Henrique Kletke Becker também se tornou réu em processo na Justiça Federal em Cruz Alta. Em setembro de 2016 Juiz determinou a indisponibilidade dos bens no limite de R$ 452.164,99 mil por meio de decisão liminar.

Em 23 de setembro de 2016 a 1ª Vara Federal de Cruz Alta emitiu decisão liminar em AÇÃO CIVIL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Nº 5002585-21.2016.4.04.7116/RS em face do ex-gestor da Santa Casa em face de ações quando ele trabalhava na cidade de Cruz Alta. A notícia também foi publicada em site da cidade no dia 8 de outubro de 2016.

Trata-se de uma ação de improbidade administrativa movida pela Justiça Federal e Ministério Público que determinou a indisponibilidade de bens e bloqueio de contas do prefeito eleito Vilson Roberto (PT) e de mais oito pessoas, incluindo Virlei Henrique Kletke Becker, conforme despacho do Juiz Substituto da Vara Federal, Danilo Gomes Sanchotene. No entendimento do MPF, Vilson Roberto e outros 8 citados na ação enriqueceram ilicitamente com os frutos oriundos de contratações e pagamentos indevidos feitos pela gestão municipal ao CAV (relação de parentesco entre funcionários do CAV e da Prefeitura Municipal), segundo consta da ação. AÇÃO CIVIL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA N° 5002585-21.2016.4.04.7116 (Processo Eletrônico - E-Proc V2 - RS).

Os indícios de irregularidades na execução do convênio entre a Prefeitura e a ONG, mediante contratação pela ONG de funcionários com parentesco com agentes da Prefeitura, ou com vínculo com esta, dispensa de licitação, configurando violação aos princípios da publicidade, impessoalidade e moralidade, estão demonstrados no bojo do Inquérito Civil n.º 1.29.016.000099/2012-49, processo de 2012.

Quanto aos réus Vilson Roberto Bastos dos Santos (prefeito eleito pelo PT para 2017/2020), Virlei Henrique Kletke Becker (ex-gestor da Santa Casa), Suzana Maria Schneider, Rafaela Schneider, Salete Rasia e Maria Manchini Rodrigues a indisponibilidade dos bens deverá ir até o limite de R$ 452.164,99 (quatrocentos e cinquenta e dois mil, cento e sessenta e quatro reais e noventa e nove centavos). A decisão foi em forma de Liminar e ainda aguarda julgamento final por parte da Justiça Federal.
Para 2017, Virlei Becker foi nomeado como Procurador Jurídico de Cruz Alta, para governo do PT eleito na cidade de Vilson Roberto Bastos dos Santos.

Por: Matias Moura - 06/01/2017 às 9:44

 

Deixe seu comentário